Falta de atendimento público na APAMI gera revolta

Faixada da APAMI. Prédio pintado de branco e verde. Alguns carros estacionados em frente à instituição.
Um grupo de pacientes de fisioterapia se revoltou, pois tiveram o tratamento interrompido. O serviço era ofertado pela APAMI em parceria com a Prefeitura.

compartilhe

Revolta dos cidadãos

 

Um grupo de pacientes se encontrava indignado próximo à APAMI. O motivo do estresse foi a falta de atendimento para os pacientes necessitados de fisioterapia, que era oferecida gratuitamente pela instituição em parceria com a Prefeitura. Comovidos pelo relato de uma das cidadãs presentes no momento, outras pessoas concordavam e faziam gestos em apoio ao que estava sendo dito por ela.

“O Senhor Prefeito, com todo o respeito, precisamos da fisioterapia, aqui, em Vitória de Santo Antão. É hora de a gente brigar. Cheguei hoje aqui, vim de casa, deixei meu esposo lá. Ontem mesmo, minha irmã veio fazer endoscopia e não tinha exame pra ela. Isso é injusto!”

O grupo de pacientes somava mais de 20 pessoas, um deles estava em cadeira de rodas e outros apoiavam-se em muletas.  Assim como a senhora que relatou suas dificuldades, os outros cidadãos presentes também expressaram sua frustração:

“O médico mesmo diz, que a fisioterapia não é pra a gente ficar bom, é pra a gente reforçar os ossos. E o Senhor faz um negócio desse, Prefeito. Isso não pode acontecer. Isso é muito desumano da sua parte”.

Prefeitura e APAMI

Faixada da APAMI. Prédio pintado na cor branco e verde, com uma árvore em sua frente. Alguns carros estacionados, também, em frente ao prédio.

Interromper o tratamento de saúde da população é uma atitude delicada e grave, pois as consequências se multiplicam na vida daqueles que não podem pagar por um serviço privado. Acontece que a Prefeitura da Vitória de Santo Antão havia celebrado uma parceria contratual com a APAMI, mas esta não é renovada desde setembro. Precisamos, então, entender os motivos.

Os serviços interrompidos vão além da fisioterapia. Cirurgia, ambulatório e atendimento médico também foram serviços interrompidos em decorrência da não renovação do contrato. André Carvalho procurou a diretoria da APAMI e o seu mandato conversou com a Secretaria de Saúde para entender, com detalhes, os desdobramentos do caso.

Ele descobriu que foi emitido um ofício por parte da APAMI destinado à Secretaria de Saúde estimando interesse na renovação da parceria entre as instituições.

Um outro detalhe que André descobriu foi que a APAMI propôs um reajuste no valor pago pela Prefeitura sobre o serviço, pois o preço estava abaixo da tabela do SUS. Esse é um assunto super importante para a população e a gente precisa entender porque o contrato não foi renovado.

Requerimento sobre o caso

O vereador André Carvalho entrou com um pedido de informação na intenção de esclarecer os motivos pelos quais a Prefeitura não teria renovado o contrato com a APAMI, interrompendo, assim, o tratamento de várias pessoas necessitadas. Além disso, foi observado que há empresas em situação de possível improbidade administrativa prestando serviço médico para o município.

Por outro lado, o Tribunal de Contas já se mostrou contrário à contratação de serviços médicos por empresa terceirizada, já que a legislação confere prioridade a instituições filantrópicas. Quanto mais fiscalização, mais transparência.  O requerimento feito por André Carvalho não foi protocolado via Câmara Municipal de Vereadores, pois recentemente ocorreu um episódio onde um outro pedido de informação foi vetado.

Ele requeria detalhes a respeito da lista de funcionários contratados pela Prefeitura por empresa terceirizada. No caso, o vereador Carlos Henrique e André Carvalho haviam recebido algumas denúncias. Nessas denúncias constavam mensagens de cidadãos sobre um suposto uso desses funcionários para a campanha da filha do Prefeito.

Em votação, os vereadores da base do Governo, não se mostraram favoráveis ao pedido, o que gerou ainda mais curiosidades. Por esse motivo, o requerimento foi protocolado diretamente na Prefeitura e o Município tem até vinte dias para responder, caso contrário, André entrará com uma ação na Justiça para que seja garantido o direito de acesso à informação.

Esse é o trabalho de um vereador, se você acredita na nossa luta, nos ajude a conscientizar a população: compartilha essa matéria pra que ela chegue em mais pessoas.

André Carvalho

André Carvalho

Vereador mais votado do PDT em Pernambuco e militante do PND. Realiza um trabalho de fiscalização e transparência em Vitória de Santo Antão- PE.

Posts Mais Recentes